O trato urinário é composto pelos rins (onde o sangue é filtrado e se forma a urina), ureteres (canais que ligam os rins até a bexiga), pela bexiga (onde a urina é armazenada) e pela uretra (canal por onde a urina é eliminada). Todo trato urinário pode ser acometido por infecção.

A infecção urinária é bastante comum em mulheres. Isso ocorre por dois motivos: primeiro porque a uretra das mulheres é curta, cerca de 4 cm (enquanto que nos homens tem cerca de 20 cm) e segundo, pela proximidade da uretra com a região anal. Pois as bactérias que costumam provocar estas infecções são provenientes do intestino, a principal delas é a Escherichia coli.

As infecções urinárias podem ser divididas em baixas (ou cistites) quando acomete apenas a bexiga e altas (ou pielonefrites) quando acometem os rins.

Os sintomas clássicos de cistite incluem ardência para urinar, dor em baixo ventre, aumento da frequência urinária e urgência para urinar. Em mulheres com estes sintomas, e na ausência de sintomas vaginais como corrimento ou coceira na vagina, muito provavelmente estaremos frente a um diagnóstico de cistite.

Nos casos de pielonefrite, além dos sintomas de cistite, podem estar presentes febre, dor nas costas, náusea e vômitos.

Na maioria dos casos, não é necessário realizar nenhum exame complementar quando nos deparamos com quadros clássicos de cistite. Mas em populações de maior risco, como gestantes, pessoas com imunidade baixa e portadores de infecção urinária de repetição, pode ser necessária a realização de urocultura. Neste exame se faz a cultura da urina para ver qual a bactéria que está causando a infecção e também qual o melhor antibiótico para realizar o tratamento.

A urocultura deve ser feita idealmente com a coleta da primeira urina da manhã. É feita higiene íntima, lavando entre os pequenos e grandes lábios, seca-se esta região, libera a urina e se realiza a coleta do jato médio sem interromper o jato urinário, para evitar contaminação. Esta urina deve ser processada em laboratório em até 1 hora após a coleta. O resultado fica pronto após 48 horas, em média.

Photo by Hans Reniers on Unsplash

O tratamento das cistites é realizado com antibiótico. Dependendo do caso, pode ser feito em dose única, três ou cinco dias de tratamento. Pielonefrites podem necessitar de tratamentos mais prolongados. Atenção: ao perceber estes sintomas é fundamental procurar atendimento médico, pois apenas o médico está autorizado a fazer a prescrição de antibióticos.

A principal maneira de prevenir estas infecções é bebendo muita água (recomenda-se ao menos 25 ml de água por quilograma de peso ao dia), não ficar muito tempo sem urinar e urinar após as relações sexuais estão entre as recomendações de prevenção. Em casos de infecções urinárias recorrentes, pode ser necessário o uso de antibióticos de forma profilática. Mulheres que já estão na menopausa e estão apresentando infecções urinárias, também podem se beneficiar do uso de reposição hormonal em forma de cremes vaginais, que possuem ação apenas no local onde são aplicados, no caso, na vagina e vulva.

Este conteúdo foi útil para você? Deixe seu comentário!

Médica ginecologista e obstetra em Porto Alegre|RS. Especialista em Medicina Fetal e Ultrassonografia. Atuação e pesquisa na área da sexualidade humana.

Médica ginecologista e obstetra em Porto Alegre|RS. Especialista em Medicina Fetal e Ultrassonografia. Atuação e pesquisa na área da sexualidade humana.