Candidíase vulvovaginal

A candidíase é uma infecção causada pelo fungo Candida. Este fungo é considerado parte da microbiota normal do trato genital feminino, sendo assim, a candidíase não é considerada uma infecção sexualmente transmissível.

Os principais sintomas do quadro de candidíase vulvovaginal (pois pode acometer a vagina e a vulva — que é a parte externa da genitália feminina) são corrimento vaginal e coceira. O corrimento pode ser desde branco e mais parecido com leite coalhado, até amarelo esverdeado e fluido. Este tipo de corrimento não costuma apresentar cheiro ruim ou forte.

Sintomas como ardência, queimação, desconforto para urinar e ter relação sexual são bastante comuns nos casos de candidíase.

Quando o médico examina a região íntima feminina pode encontrar vermelhidão, inchaço e corrimento vaginal — muitas vezes com placas brancas aderidas nas paredes vaginais.

As infecções podem ser divididas em complicadas ou não complicadas: os quadros não complicados acontecem em 90% das vezes. Apresentam sintomas leves a moderados, são esporádicos, geralmente causados pela Candida albicans e costumam acontecer em pessoas sem fatores de risco.

As infecções complicadas são menos frequentes, ocorrendo nos outros 10% dos casos. Os sintomas podem ser mais graves e difícil controle, os episódios são recorrentes (quer dizer que a mulher tem vários episódios um seguido do outro), podem ser causados por outras espécies de Candida e costumam acontecer em populações de maior risco, como mulheres diabéticas, com imunidade comprometida, gestantes, entre outras.

O aumento do estresse e uso de antibióticos são condições que podem estar relacionadas ao surgimento da candidíase.

O tratamento da candidíase não complicada pode ser realizado com comprimido em dose única ou com cremes vaginais. Os casos complicados requerem manejo especial, podendo ser necessário um tratamento mais prolongado.

Algumas dicas para a prevenção da candidíase — especialmente para mulheres que apresentam quadros de repetição: tente controlar o estresse, o estresse reduz a imunidade; mantenha uma dieta sem excesso de carboidratos, a candida adora açúcar!; evite contraceptivos com estrogênio, o estrogênio também está relacionado ao aumento dos episódios; se habitue a dormir sem calcinhas; mantenha higiene adequada, nem demais, nem de menos!

Ficou com alguma dúvida? Deixe nos comentários!

Médica ginecologista e obstetra em Porto Alegre|RS. Especialista em Medicina Fetal e Ultrassonografia. Atuação e pesquisa na área da sexualidade humana.

Médica ginecologista e obstetra em Porto Alegre|RS. Especialista em Medicina Fetal e Ultrassonografia. Atuação e pesquisa na área da sexualidade humana.